80 % dos casos de esterilidade feminina deve-se principalmente a:

  • Idade reprodutiva avançada: a partir dos 35 anos o potencial de reprodução diminui e depois dos 40 anos a possibilidade de engravidar é inferior a 10 %.
  • Fator tubo-peritoneal: quando as trompas de Falópio sofrem algum tipo de lesão.
  • Endometriose: quando o tecido uterino se encontra fora do útero.
  • Outros fatores de risco: miomas; doenças sexualmente transmissíveis; doenças crónicas, como diabetes, cancro, doenças da tiroide, asma ou depressão. Toma de medicação como antidepressivos.

Ler mais

Quanto ao homem, as principais causas de infertilidade masculina são:

  • Alterações do trato genital que impossibilita o depósito do esperma no fundo da vagina durante o coito.
  • Problemas de ereção.
  • Alterações na produção do esperma (diminuição da qualidade e quantidade do esperma).
  • Situação anómala do meato urinário; curvaturas muito pronunciadas do esperma ou uma grande diminuição do mesmo.
  • Obesidade extrema.

CAUSAS DA INFERTILIDADE

  • 30 % causas masculinas: alterações no âmbito testicular, obstrução de dutos, patologias na próstata, alterações na ejaculação ou ereção e alterações no esperma.
  • 30 % causas femininas: menopausa precoce, endometriose, obstruções ou lesões das trompas de Falópio, anomalias uterinas e cervicais ou problemas ovulatórios.
  • 20 % causas mistas ou combinadas: nas quais os dois membros do casal são responsáveis.
  • 20 % chega a ser uma causa inexplicável, dado que não foi possível identificar a causa.

Que tipo de lesões afeta as trompas de Falópio?

Cerca de 25 % dos casos de esterilidade feminina deve-se a um fator tubário, ou seja, a uma alteração nas trompas de Falópio. Em condições normais, as trompas comportam-se como um cana de pesca recolhendo o óvulo libertado na ovulação, transportando os espermatozoides até ao óvulo e conduzindo o óvulo já fertilizado até ao útero. O dano parcial das trompas, devido a uma aderência, ou total, por obstrução tubária, impede este transporte e, como consequência, não se produz a fecundação.

O dano tubário pode produzir-se devido a:

• Infeções que ascendem desde o colo uterino ou útero até às trompas (Doença Inflamatória Pélvica, EIP) ou pela continuidade a partir da cavidade abdominal (apendicite). Os micróbios mais frequentemente implicados na EIP são a Gonorreia, a Clamídia, entre outros.

• Cirurgia pélvica anterior que tenha produzido fenómenos de aderências ao nível tubário, ou a endometriose.

O fator tubário relaciona-se também com a gravidez ectópica, que acontece quando o embrião não chega à cavidade uterina, por alterações no diâmetro e na parte interna da trompa, impedindo o seu transporte adequado.

Em que medida a idade afeta a infertilidade feminina?

O amadurecimento físico e psíquico da mulher faz com que a idade perfeita para ter filhos seja entre os vinte e cinco e os trinta anos de idade. Mas, hoje em dia, os casais decidem ter filhos depois destas idades devido, em grande medida, à integração da mulher no mercado de trabalho. A partir dos trinta e cinco anos, a fertilidade feminina diminui sensivelmente e, a partir dos 45, a possibilidade de engravidar de forma espontânea é excecional.

O que é a endometriose e quantas mulheres afeta?

Existe uma ampla relação entre a endometriose e a esterilidade, dado que se constata que 10 % das mulheres padecem dela e 35 % das estéreis apresentam-na. O seu nome deriva da palavra endométrio, que é o tecido que reveste o útero no seu interior, e que se descama todos os meses com a menstruação. A endometriose consiste na presença deste tecido endometrial fora da sua localização habitual, que é dentro do útero. A sua localização mais frequente é nos ovários, nas trompas de Falópio, nos ligamentos que sustentam o útero e no revestimento da cavidade pélvica ou abdominal. É um tecido sensível às alterações hormonais que se produzem com a menstruação, e daí os sintomas que produz. No entanto, algumas pacientes podem não ter sintomas, sendo os mais frequentes dor e infertilidade.

A dor pode estar relacionada exclusivamente com o momento da menstruação, mas também pode haver sintomas gastrointestinais ou urinários se estes implantes de endometriose invadirem outras estruturas, como o intestino, a bexiga ou o reto. A infertilidade relacionada com a endometriose pode derivar das alterações que ocorrem na anatomia pélvica destas pacientes durante os ciclos menstruais. Pode provocar obstrução das trompas ou formação de quistos ováricos de endometriose que, em determinadas ocasiões, necessitam de cirurgia, com a consequente perda de tecido ovárico e diminuição da fertilidade. Existem tratamentos, tanto médicos como cirúrgicos, e em muitos casos a obtenção de uma gravidez pode travar ou melhorar a evolução da doença.

Como se deteta a endometriose?

O diagnóstico de suspeita pode ser estabelecido pela clínica e pela visualização ecográfica de quistos de chocolate, no entanto, um diagnóstico preciso só poderá realizar-se através da visualização direta das lesões, que em determinadas ocasiões têm um tamanho mínimo e apenas é possível identificá-las através de laparoscopia.

No caso de endometriose grave com quistos de chocolate, a cirurgia é necessária antes de iniciar um tratamento de reprodução?

Esta avaliação diz respeito ao ginecologista tendo em conta o tamanho do quisto e a reserva ovárica ou capacidade de resposta do ovário afetado. A FIV é um tratamento apropriado para a esterilidade associada à endometriose quando outras técnicas fracassaram. A gestação será uma terapia temporária excelente para a melhoria da endometriose.

O que são Ovários Policísticos?

Cerca de 20 % das mulheres tem ovários policísticos (OP). Este termo faz referência ao aumento do número de pequenos quistos (folículos antrais) na superfície do ovário ao ser analisado nas ecografias. Existe um grande número de mulheres com OP que não têm problemas de ovular e engravidar.

No entanto, algumas destas mulheres com este padrão ecográfico característico têm também a condição de Síndrome de Ovários policísticos (SOP). Estas mulheres apresentam ciclos menstruais irregulares ou mesmo ausência de menstruação, portanto terão problemas para engravidar pela falta de ovulação.

Porque se produz a anovulação?

Entre os fatores determinantes desta situação estão o stress, a perda ou o ganho significativo de peso, a produção excessiva de prolactina (hormona encarregue de produzir o leite materno) e os ovários policísticos que merecem uma menção especial devido à sua complexidade e frequência. Aproximadamente 35 % das mulheres em algum momento da sua vida apresenta anovulação. A origem da alteração hormonal pode estar no hipotálamo, na hipófise ou no próprio ovário.

Que análise se realiza para estudar a infertilidade masculina?

Para estudar a fertilidade masculina realiza-se uma análise que testa o número, a atividade e a forma dos espermatozoides. Um resultado idóneo para conceber é ter mais de 39 milhões de espermatozoides na ejaculação com pelo menos 32 % de espermatozoides com movimento progressivo e pelo menos 4 % de formas normais. Quando se tem quantidades menores a probabilidade de gravidez desce consideravelmente.

Quais são as causas da pouca produção de espermatozoides nos testículos?

As causas fundamentais podem encontrar-se a nível das glândulas do cérebro (hipófise ou hipotálamo) que produzem as hormonas que regulam a formação de espermatozoides, a nível das alterações genéticas (síndrome de Kinefelter, alterações dos genes contidos no cromossoma Y que regulam a formação dos espermatozoides) ou por uma grande quantidade de problemas dos testículos, como falta de desenvolvimento, desenvolvimento anómalo ou falta de descida na bolsa.

Que tipo de anomalias se produzem nos espermatozoides?

Os espermatozoides podem apresentar anomalias no seu movimento (astenozoospermia), na sua forma (terazoospermia) ou na sua vitalidade (necrozoospermia).

Quais são as causas de anomalias nos espermatozoides?

• Infeções ou presença de anticorpos.

• Alterações no número de cromossomas através de FISH; fragmentação de ADN; fenómenos de oxidação; varicocele, etc.

• Diabetes; tireoide; insuficiência renal e hepática, bem como a toma de determinados fármacos, drogas, tabaco e situações de stress.

A infertilidade tem a ver com o forte decréscimo da natalidade em alguns países?

Só no sentido de que atualmente nos países desenvolvidos existem fatores que podem incidir negativamente na produção de espermatozoides, como o álcool ou o tabaco. A contaminação ambiental também é importante, bem como as substâncias e os aditivos que os alimentos contêm para engordar o gado, como as hormonas. Nas comunidades agrícolas, sobretudo nos locais onde existem estufas, a utilização de pesticidas que possuam uma determinada atividade hormonal pode incidir na infertilidade dos homens. Outros aspetos relacionados com as mudanças do estilo de vida: a integração da mulher no mercado de trabalho, o atraso da idade da primeira gravidez, etc., contribuem para a diminuição das taxas de natalidade.

TEM DÚVIDAS?

Solicite mais informações