Fevereiro 12, 2021

Vai ser mãe com óvulos doados? Tudo sobre a epiginética

epigenética

Engravidar através de tratamento de fertilidade nem sempre é um percurso fácil, e há casos em que é preciso recorrer aos óvulos de uma dadora. É um tipo de tratamento de procriação medicamente disponível e levanta algumas dúvidas relacionadas com o próprio processo. Ter um filho sem ser com os próprios óvulos é uma das questões que mais faz refletir as mulheres e os casais que têm indicação médica para fazer este tratamento. Contudo sabia que o útero materno influencia a gravidez?  Acha que o mesmo embrião implantado em duas mulheres diferentes desenvolve da mesma forma? Em 2015, publicámos um dos primeiros estudos sobre a relação do útero na gravidez, mas hoje pedimos à Dra. Judith Reina, conselheira genética da Unidade de Genética Reprodutiva do IVI, para nos falar do importante papel da epigenética que é o mesmo que dizer como a mãe grávida influencia uma gravidez pela doação de óvulos.

Hoje vamos abordar algumas das perguntas mais comuns de quem faz tratamento com doação  de óvulos. Se eu engravidar com óvulos doados, o bebé vai ser parecido comigo? Vou contribuir de alguma forma para as características herdadas pelo futuro bebé? A ideia de abrir mão da própria carga genética produz medo e rejeição em algumas mulheres e é um processo conhecido como “luto genético”. No entanto, e por essa razão vou explicar um conceito complexo e um tanto desconhecido em biologia, denominado epigenética.

Genética e epigenética

O que é epigenética? A palavra “epigenética” significa literalmente além da genética. Quando falamos de genética podemos mais ou menos imaginar o que é, de forma abstrata. São as informações que os seres vivos carregam nas células e que são necessárias para a correta formação do nosso corpo e seu bom funcionamento. Poderíamos imaginar essa informação genética como uma enciclopédia composta de livros (que definiríamos como cromossomas) que, por sua vez, contêm numerosas frases. Essas frases, por sua vez, seriam compostas de palavras que estão ligadas entre si em um certo sentido. Eles também transmitem uma mensagem, que é a base essencial para o correta formação e bom funcionamento do corpo humano. Consequentemente, se essas frases contiverem erros, às vezes podem levar às doenças genéticas bem conhecidas, algumas delas hereditárias.

No entanto, as letras que compõem a nossa informação genética precisam de “sinais de pontuação” para fazer sentido, assim como num livro. Essas modificações que modulam e determinam o significado da informação genética são conhecidas como epigenética. Isso é tão importante quanto a própria informação genética, sendo essencial também para o correto desenvolvimento, vida e saúde do ser humano.

Como a epigenética influencia a descendência?

Certas modificações na nossa informação genética podem causar doenças ou determinar a existência de uma característica específica. Além disso, hoje sabe-se que muitas doenças como a obesidade, problemas cardiovasculares ou diabetes podem surgir, em parte, devido a alterações na epigenética. Suspeita-se até que certas características físicas também podem ser influenciadas pela epigenética. A título de exemplo, poderíamos dizer que, se um bebé tem maior probabilidade de ter olhos escuros e cabelos crespos devido à carga genética fornecida pelos pais, essa possibilidade pode ser aumentada ou diminuída dependendo da influência da epigenética naquele bebê durante a gestação.

Assim como todos sabemos que nossa informação genética é herdada do nosso pai e de nossa mãe, o que dizer da epigenética? Até hoje, há evidências científicas de que a epigenética, em parte, é herdada dos nossos pais. Mas também uma grande parte dela é modulada e estabelecida influenciada por fatores ambientais durante o desenvolvimento e a vida de cada pessoa, incluindo a época em que o bebé se desenvolve no útero materno. Esses fatores ambientais incluem dieta, álcool, tabaco, exercício físico, certos poluentes e drogas e stresse. Além disso, várias investigações publicadas nos últimos anos em revistas científicas têm mostrado que as modificações epigenéticas adquiridas numa pessoa ao longo de sua vida também podem ser transmitidas para a próxima geração. Esses resultados sugerem que determinados estilos de vida, como ser fumador, ter hábitos alimentares inadequados ou praticar pouca atividade física, podem alterar a própria epigenética. Além disso, essas modificações prejudiciais poderiam ser transmitidas para a descendência direta e até mesmo para os futuros, como os netos.

O papel da epigenética na doação de óvulos

Focando no momento específico da gravidez, alguns cientistas sugerem que há uma comunicação entre o útero da mãe (o endométrio) e o bebé. Isso é potencialmente capaz de modular a forma como sua informação genética é expressa, independentemente de o bebé vir de um óvulo próprio ou doado. Portanto, podemos concluir que o ambiente uterino que uma gestante dá ao seu bebé durante a gestação, independentemente de os óvulos serem de uma dadora, é considerado importante, pois inevitavelmente modificará e influenciará a forma como a informação genética deste bebé é expressa e, portanto, pode ser vista refletida nas características físicas e de saúde do recém-nascido.

Solicite a sua primeira consulta:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up